Highslide for Wordpress Plugin

Assistência Social

7 de outubro de 2016

Criança Não é Brinquedo

violencia_inantil_bannersite_978x300pxlsA campanha com o nome de “Criança não é brinquedo” é promovida pela Secretaria de Assistência Social da Prefeitura de Extrema com a participação do CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social). A campanha busca a conscientização de todos sobre os maus tratos às crianças e aos adolescentes e ainda aconselhando a quem presenciar um ato de violência contra a criança que denuncie imediatamente, pois estes atos podem interferir no futuro destes jovens.

Saiba como denunciar:

– Disque Denúncia dos Direitos Humanos: Dique 100;

– Conselho Tutelar de Extrema – CONTUEX:

Rua Cel. Teófilo Cardoso Pinto, 148, no Centro de Extrema, telefones, (35)3435.2104 / (35)98861.5370 ou pelo e-mail:contuex@hotmail.com

Saiba mais sobre a Violência Infantil:

A violência contra as crianças inclui violência física, psicológica, discriminação, negligência e maus-tratos. Ela vai desde abusos sexuais em casa a castigos corporais e humilhantes na escola; do uso de restrições físicas em casa à brutalidade cometida pelas forças da ordem, de abusos e negligência em instituições até as lutas de gangs nas ruas onde as crianças brincam ou trabalham. Ajude a combater a violência infantil!

São exemplos de violências:

– Violência física: beliscões, cintadas, chineladas, puxões de orelhas, uso da força física ao tocar na criança ou no adolescente;

– Violência sexual: manipulação da genitália, exploração sexual, ato sexual com ou sem penetração;

– Violência psicológica: rejeição, desrespeito, depreciação, rotulação, xingamento, cobrança e punições exageradas;

– Negligência ou abandono: falha ou omissão em prover os cuidados, a atenção, o afeto e as necessidades básicas da criança ou do adolescente, como saúde e alimentação.

Indicações de que uma criança e/ou adolescente possa estar sendo vítima de violência:

– Lesões físicas;

– Doenças sexualmente transmissíveis (DST);

– Problemas de aprendizagem;

– Comportamento muito agressivo ou apático;

– Comportamento extremamente tenso;

– Afastamento, isolamento;

– Conhecimento sexual inapropriado para a idade;

– Negar-se a voltar para casa;

– Ideias e/ou tentativas de suicídio;

– Autoflagelação;

– Fugas de casa;

– Choro sem causa aparente;

– Hiperatividade;

– Comportamento rebelde;

– Desnutrição;

– Aparência descuidada e suja.

Caso você presencie um ato de violência contra a criança, não seja conivente, denuncie. Afinal de contas criança não é brinquedo!